Colunistas

Reflexão Atual

25/08/2017 16h50

No aconchego do meu eu, eu vi a vida passar. Encontrei ondas gigantes e submergi.

Vi coisas estranhas e vi o bonde passar.

Numa sequência de altas e baixas eu emergi.

A vida segue encantando e desencantando os afluentes da vida encanto.

Às vezes enlouqueço numa sequência banal, inconsequente, inconteste.

Seria loucura viver um instante sem pensar no amanhã, ou amanhã não existe.

Como definir o amanhã. O amanhã sempre vem, mas como saber se existe. Saberia a mim dizer como será o amanhã?

Os afluentes correm em direção ao mar; seria um pedido de socorro dos pequenos tentando encontrar uma saída.

A pororoca se dá no encontro, mas não se mistura, ou alguém a testa que sim.

Afinal, qual o amor verdadeiro, como definir uma paixão, se alguns matam alegando amor.

Como sofrer no amor. É, o amor se mistura: amor e ódio. Abdicar de uma coisa boa em favor de uma coisa má. Como entender um erro sobrevoando sobre nós guiado do chão por um estranho.

Como entender o Brasil de hoje. Quem é o certo, como definir o errado. Está todo mudo loco. O mal sobremaneira permanece flutuando, prisão de quatro parede, virou pulseira e a calça esconde. Deito e penso, como será o amanhã? Pulseira de pé, virou pulseira de braço, ouro 18 ornamentação. Apresentação ao juiz não vai a pessoa e sim o espirito. O Brasil continua ensinando o povo a roubar. Escolas com horário integral, senado, câmara, fazem as leis e o Sr. Presidente aprova, por que lhe convém, afinal é o chefão da máfia. O povo paga o crime dos políticos e financia sua reeleição no fundão que criaram. Todos legalmente e ainda cabe recurso, só os privilegiados dos políticos pagaria o rombo que fizeram. Presidente, Vice, senadores, deputados, governadores, vice, prefeitos, vice, vereadores. Só em Brasília, teria recursos para pagar o rombo. Delato meu crime e vou para minha mansão tomar meu banho de piscina. Kafunga, velho goleiro do atlético mineiro, estava certo. O errado hoje é certo. Para alcançar o céu o Brasil precisa nascer de novo. Como será o amanhã, pergunta quem quiser. Figueiredo, general já dizia; vocês ainda vão ter saudades de mim. Dito e feito.

Irio
2 textos publicados


SIGA O TRIBUNA NAS REDES SOCIAIS

Jornal TRIBUNA
Tribuna Minas

Todos os Direitos Reservados