Notcias

Mulher morre ao fazer cirurgia plstica com mdico sem registro

Ela faria trs procedimentos: abdominoplastia, laqueadura e lipoaspirao. Mdico se apresentou como cirurgio plstico, mas registro no Cremerj de mdico do trabalho.

Globo.com

10/10/2017 13h44

Uma mulher morreu durante uma cirurgia plstica em uma clnica, em Jacarepagu, na Zona Oeste do Rio. Alessandra Machado, de 35 anos, faria trs procedimentos: abdominoplastia, laqueadura e lipoaspirao.

Ela trabalhou, juntou o dinheiro, pra ela fazer essa cirurgia. H trs anos, ela vem falando que queria fazer o sonho a vida dela, que era a abdominoplastia, pra ela ficar com uma cintura mais fina. Ela falou: o meu sonho, e eu quero realizar, mas no realizou, disse a irm Elena Machado.

Alessandra foi enterrada no domingo (8). Ela deixou marido e uma filha de 13 anos. A famlia est inconformada.

Ele [o mdico] demonstrou muita confiana, ele deu a inteira confiana. Ela confiou muito nele. Foi devastador, acabou com a nossa estrutura. A gente esperava receber ela em casa na sexta com vida, e ns recebemos ela com a morte, com o fim da vida dela, isso no justo, disse a irm da vtima.

A famlia conta que o mdico, Mauricio Teixeira de Britto, cobrou R$16 mil e se apresentou como cirurgio plstico.

A fundo, ns fomos fazer uma pesquisa que ele apenas cirurgio ginecolgico, ginecologista. Eu fiz uma pesquisa agora pela manh, liguei pra Sociedade e l foi informado que ele no tem nenhuma clnica e tambm no afiliado e no nada, disse o primo de Alessandra, Vitor Hugo Andrade.

No site do Conselho Regional de Medicina (Cremerj), o mdico Mauricio Teixeira de Britto aparece registrado como mdico do trabalho. O primo e a irm denunciaram o caso Polcia.

A famlia diz ainda que mdico garantiu que tinha todos os equipamentos necessrios e at uma ambulncia disponvel, mas quando Alessandra precisou de socorro, teve que pedir pelo plano de sade dela e, quando chegou ao hospital, j

estava muito grave.

Ele [o mdico] no quis predispor, como ele dizia que tinha todo o suporte, na verdade no tinha nenhuma ambulncia. E isso a foi angustiando, angustiando, e foi quando ela teve a primeira parada cardio, Foram feitas todas as manobras e foi ai quando descobriram que no tinham as substncias a qual seria necessrio pra esse procedimento, disse Vitor Hugo.

A produo do Bom Dia Rio procurou os responsveis pelo lugar, mas ningum atendeu o telefone. Do lado de dentro da clnica, todas as luzes estavam ligadas, TV ligada, e o local estava aparentemente funcionando, mas a porta estava trancada.


SIGA O TRIBUNA NAS REDES SOCIAIS

Jornal TRIBUNA
Tribuna

Todos os Direitos Reservados